terça-feira, 12 de maio de 2015

UMA NOITE...

E as mãos se entrelaçaram,
E as bocas se tocaram,
E os corpos se entregaram,
E o sonho fez-se real.
E as luzes se apagaram, 
E as taças então brindaram,
Suspiros no quarto ecoaram,
Num prazer vivo e carnal.

E um caminho tão perfeito
Guardado estava no peito,
Na glória de se haver feito
Um amor tão natural.

Ma tal paixão , desse jeito,
Não traria grave efeito
Não fosse um golpe mortal:
Suas mãos largando de mim,
O dia nascendo assim,
E um sol por grande final.